A importância da vitamina D e como obtê-la

Muitos estudos têm buscado entender a relação entre a vitamina D e o risco maior de desenvolver doenças

Muitos estudos têm buscado entender a relação entre a vitamina D e o risco maior de desenvolver doenças

Muitos estudos têm buscado entender a relação entre a vitamina D e o risco maior de desenvolver doenças. Até agora, baixos níveis dessa vitamina já foram relacionados com doenças como diabetes, asma, osteoporose, obesidade, alguns tipos de câncer (como o colorretal, o pancreático, o de próstata e o de mama), Alzheimer, doença do coração, demência, depressão, infecções urinárias de repetição e até doenças autoimunes como a esclerose múltipla e o lúpus, por exemplo.

Ao que tudo indica, a vitamina D ajuda a fortalecer o sistema imunológico, é importantíssima para a força muscular e óssea, melhora o humor e a circulação sanguínea, entre outros benefícios. Por isso, é importante ter níveis saudáveis dessa vitamina. Veja abaixo como consegui-la:

  • Exposição ao sol: a luz solar estimula o organismo a produzir vitamina D naturalmente. Como a exposição deve ser sem protetor solar para se ter o efeito desejado, o ideal seria ficar exposto ao sol de 20 a 25 minutos por dia. Antes de fazê-lo, porém, pergunte ao seu médico qual o tempo de exposição e horários mais seguros para você. Tomar sol através do vidro da janela não traz resultado algum, já que ele filtra os raios ultravioletas responsáveis pela produção da vitamina. Pessoas idosas e/ou negras podem ter mais dificuldade de produzir vitamina D por meio da exposição solar.
  • Peixes gordurosos: peixes como o salmão, a truta, o atum, a cavala e a enguia podem ser boas fontes de vitamina D. Além disso, contêm ômega 3, que é uma gordura benéfica para a saúde. Atum e sardinhas em lata também podem ser boas opções.
  • Alimentos fortificados: há no mercado alguns tipos de leite (de vaca, de soja e de arroz), sucos de laranja e cereais que têm vitamina D adicionada à sua composição. Procure a informação na embalagem na hora da compra.
  • Gema de ovo: a gema de ovo possui vitamina D, porém em quantidades relativamente pequenas (40 UI por ovo e o recomendado por dia é consumir 600 UI). Por isso, precisam ser combinadas com outras fontes da vitamina.
  • Bife de fígado: além da vitamina D, o bife de fígado também possui vitamina A, ferro e proteína. Como contém níveis altos de colesterol, é preciso tomar cuidado se estiver fazendo dieta para controlar os níveis de LDL (colesterol ruim).
  • Óleo de fígado de bacalhau: uma das fontes mais ricas de vitamina D, apesar do sabor não ser tão atrativo. Pode ser consumido líquido ou em cápsulas.
  • Suplementos: é possível extrair a vitamina D de suplementos, porém é de extrema importância não se automedicar e consultar um médico para saber se a suplementação é necessária. Não tome nenhum suplemento vitamínico sem a indicação e o consentimento de um médico.

 

CORP-1162377-0015 PRODUZIDO EM SETEMBRO/2016 VÁLIDO POR 2 ANOS

Chat